Meus Livros

Música do Coração – Capítulo 31

Capítulo 31

Mais de um mês se passou e o dia tão aguardado para o show de Alex, chegou.

Claire estava dirigindo, naquela sexta de manhã, para a gravadora e escutando o rádio. O frio aumentava cada dia e ela estava completamente enrolada em blusas de lã, gorro, luvas e cachecol.

“É hoje! Hoje temos o primeiro show e lançamento do CD de Alex Robinson. O show será na casa Koko e as portas abrem às 19h. O show de abertura será da nova voz feminina da Inglaterra. Juliette Stell. Não perca! Tudo isso hoje. Hoje à noite. Ainda restam poucos ingressos, então corra. Senão, você ficará fora dessa. Vamos aquecer tocando a música ‘Minha escolha é sempre você’, de Aaaaalex Robinson.”

Claire sorria sozinha escutando tudo isso. Era como se aquele sonho, fosse dela também. Se realizando. Seu celular toca e ela sorri mais ainda quando vê que era Alex.

– Eu escutei! E continuo escutando sua música tocando na rádio! – Disse Claire, quase gritando de alegria.

– Claire! Estou quase tendo uma convulsão de tamanha felicidade. Estão anunciando meu show na rádio! Meu shoooow! – Ele também quase gritava e tanta empolgação.

– Sim, sim, sim, sim! Seu show, meu amor!

– Estou saindo de casa para ir até a Koko passar o som. Você vai conseguir ir para lá mais tarde?

– Sim, vou passar na gravadora para encontrar com a Juliette e a levo para lá também. Nos vemos mais tarde.

– Claire… – Alex disse o nome dela com doçura e fez uma pausa. Claire apenas sorria e tinha os olhos úmidos. Aquele dia era tão importante para ela, quanto era para ele. – Eu amo você.

– Também te amo, meu cantor famoso! – Ele riram. – Um beijo.

Chegando na gravadora, Claire correu para a sala de Rose, pois ela já estava ligando para ela a chamando para chegar logo. A cantora Rihanna estava lá e Rose queria a ajuda de Claire para a conversa. Claire passou voando pela porta e Rihanna deu um gritinho quando a viu.

– Nossa, que saudade de você, Claire! – Disse Rihanna, a abraçando.

– Eu também! – E se senta ao lado dela. – Me escuta, estou numa fase muito criativa e, céus, às vezes nem consigo dormir de tanta ideia que surge na minha cabeça. – As três deram risada. – Eu tive uma visão. Quando você me disse ao telefone que queria fazer um dueto. A Shakira está procurando alguém para fazer um. A música vai ser daquelas que gruda na mente e não sai. Nitroglicerina pura vocês duas juntas! Mais do que Beyoncé com Lady Gaga.

– Nossa! Eu quero saber mais sobre isso. – Disse Rihanna apagando um cigarro no cinzeiro em cima da mesa de Rose.

– Rihanna querida! Imagine um clip com você e a Shakira juntas. Os homens vão morrer e as mulheres vão querer ser iguais à vocês. Duas lindas, com corpos lindos. Pouca roupa e muita sensualidade. – Disse Rose. – Como a Claire falou, nitroglicerina pura.

– Pense nisso. Ela me mandou uma demo da música, vou pegar o meu computador para te mostrar. – Disse Claire se levantando.

– Gostei da ideia. – Disse Rihanna, pensando. – Gostei mesmo. Mas quero que você escreva o roteiro do clip. – Claire deu risada.

– Acho que posso fazer isso. Vou pegar o computador. Um segundo. – E saiu correndo da sala de Rose. Trombando com Juliette.

– Claire! Bom dia! – Disse a menina.

– Linda! Bom dia. Nós já vamos para a Koko, me dá uns minutos que estamos encerrando uma reunião com a Rihanna, me espera uns minutos, por favor. – Disse Claire caminhando de costas em direção a sua sala.

– A Rihanna está aí? – Juliette abriu a boca.

– Na sala da Rose. Eu te apresento a gata depois. – Claire entra na sua sala dando risada. – Meu Deus! Cadê aquele cientista que criou a ovelha Dolly? Preciso muito dele! Preciso de clones! – Claire falava em voz alta, sozinha.

– Desde quando você é maluca de falar sozinha? – Claire escutou uma voz falando de dentro da sua sala, da pessoa que estava sentada no sofá no canto da sala e ela nem tinha reparado. Ela deu um pulo de susto e se virou. Viu Matthew, sorrindo com o susto dela.

– CÉUS Matthew! Você quase me mata de susto! – Ela respirou fundo. – O que está fazendo na minha sala?

– Desculpa. Eu precisava falar com você. Estava por aqui e quis esperar. Sem ninguém saber para não te causar problemas.

– Por que causaria? – Claire perguntou, abraçada com seu computador e encostada na sua mesa.

– Não sei, por causa do seu namorado.

– Não causaria. Nosso contato é profissional, por que causaria? – Claire balançou a cabeça.

– Enfim. Vim aqui na verdade, para te falar uma coisa. Não sei se tem alguma noção do que está prestes a acontecer, mas precisava falar para você.

– Pode dizer.

– O Dylan. – Ao escutar o nome dele, Claire sentiu um frio subindo pela sua coluna e suas pernas ficaram bambas. Mas Matthew não percebeu.

– O que tem esse verme? – Perguntou Claire, séria.

– Tenho estado com ele nessas últimas semanas, pois ele é um dos poucos contatos que tenho aqui em Londres. E tenho que te dizer, que jamais conheci uma pessoa mais rancorosa. Ele ainda não esqueceu o fato de você tê-lo mandado embora. Ele está vendo como você conseguiu reerguer a gravadora, ele sabe de todo o fluxo de trabalho e contratos que vocês estão fechando, a quantidade de trabalho e sabe também que o tal do Russel que está no lugar dele, está fazendo um trabalho formidável.

– Ok. E o que você precisa me dizer sobre isso?

– Ele quer atingir você, através do Alex. – Claire fechou os olhos e respirou fundo. – Eu não sei como, mas ele já tentou diversas vezes oferecer droga para o Alex, mas ele se manteve forte. Não sei se ele te conta isso, mas foram muitas vezes. O Dylan diz que está quase conseguindo e sabe que Alex tem um histórico de drogas bem pesado. Ele sabe que se o Alex começar, ele vai se afundar. E é exatamente isso que ele quer. Afundar o Alex para que você afunde também.

– Eu sei que… – Claire engoliu seco olhando para o chão. – Eu sei que ele me odeia porque eu fui a única que o enfrentou aqui. Mas, a opção de usar ou não as drogas que ele oferece, é única e exclusiva do Alex. Se ele quiser aceitar, a escolha é dele. Mas ele sabe as consequências.

– Eu sei. Bom, de qualquer jeito, eu só queria te contar. Não sei se isso pode te ajudar em alguma coisa ou não. – Matthew se levantou da cadeira. – Espero que tudo dê certo para vocês.

Claire respirou fundo e eles ficaram se olhando durante alguns segundos. Um turbilhão passava pela mente deles. Matthew ainda não havia se perdoado por ter perdido Claire, ainda a amava muito. E Claire voltou a ficar preocupada com a integridade de Alex.

– Obrigada, Mat. – Ela disse e ele sorriu. – O que foi?

– Eu gosto de quando me chama de Mat. – Ele disse. Ela sorriu também. – Irei ao show hoje, a Juliette me pediu. Eu preciso ir para prestigiá-la.

– Claro. Você já tem ingressos?

– Sim. Sei que restam poucos. Escutei na rádio.

– Sim! Acho que vamos conseguir lotar a casa. Vai ser um sucesso.

– Claro. Tenho certeza de que será. Como tudo que você faz, é sucesso. E fico feliz em ver como seu trabalho tem sido reconhecido. Escuto os burburinhos e seu nome sempre está associado aos melhores. Portanto, os que querem ser os melhores, irão te procurar.

– Nem me fale. Estou rezando para que inventem um dia de 34 horas. – Eles deram risada.

– Bom, boa sorte hoje. Espero que seja tudo certo hoje. Preciso ir. Até mais tarde.

– Até e… Obrigada. Por me avisar sobre o Dylan.

– Não tem de que. Espero que ele não caia. Até. – E ele sai da sala. Claire continua ali.

Ela passa aos mãos pelos seus cabelos e caminha até a janela de sua sala. Respirando fundo.

– Eu também espero. – Ela disse para si mesma. Querendo que esse fantasma desaparecesse de sua vida como num truque de mágica.

***

– Tiffany! Por favor! Escolha logo o sapato que você quer, já estamos atrasadas e meus pais estão subindo. – Dizia Claire, colocando um lindo brinco de brilhantes em formato de cacho de uva na orelha e ao mesmo tempo calçando seus sapatos pretos altíssimos. Ela estava com um vestido preto seco, acinturado e que tinha muitos detalhes de renda, inclusive a manga até a metade de seu braço. Colocou uma pulseira que fazia conjunto com os brincos e se analisou no espelho. Tif não havia respondido e Claire só escutava o barulho de sapatos indo ao chão dentro de seu closet. – Tiffany!

– ACHEI! – Tif gritou de dentro do closet e saiu meio desajeitada de lá de dentro, com um par de sapatos azuis na mão. – Eram esses que eu queria!

– Claro. Só podia ser os meus sapatos da Salvatore Ferragamo. Você é muito esperta. Assalta meu closet na maior cara de pau. – Disse Claire dando risada enquanto Tif se sentava na cama para calçar os sapatos. A campainha toca. – Vou abrir a porta para meus pais. Termine de se arrumar logo. Preciso estar lá antes dos portões abrirem. E já são 18:35! Eu vou matar você, Tiffany!

– Mais dois minutos para finalizar a maquiagem! – Tif grita enquanto Claire corre para abrir a porta e segurar Thor no colo, que latia na frente da porta abanando o rabinho. Ele estava ficando cada dia mais pesado e maior.

– Claire! Filha! Você está linda! – Disse Jane, que estava agarrada no braço de Steve.

– Não se espantem! Vocês que fizeram! – Eles deram risada. Steve fecha a porta e pega Thor dos braços de Claire.

– Ele está cada dia mais lindo! Que pelo brilhante. – Disse Steve sendo lambido pelo cachorro.

– Eu compro a melhor ração para eles e acho que os banhos semanais também ajudam. Eles estão lindos mesmo. – Claire se aproxima e dá um beijo na cabeça de Thor e outro na bochecha do pai.

– A Tiffany já está pronta? – Perguntou Jane.

– Estou pronta e linda! Podemos ir!  – Disse Tiffany, chegando na sala e sorrindo, para abraçar Jane e Steve. Ela estava com um vestido vermelho escuro curto, que mostrava as pernas, de mangas compridas.

– Minha nossa! Estou me sentindo um sultão! Estou acompanhado das mulheres mais lindas de Londres. – Disse Steve, olhando para as três.

– E o Alex? Ele já está lá? – Perguntou Jane.

– Sim. Eu o deixei lá hoje de tarde para vir me arrumar. Ele preferiu ficar lá. Está muito nervoso, ansioso, com muito medo de fazer algo errado. Mas na passagem de som, ele foi perfeito. Presença de palco, não desafinou em nenhum momento. Ele vai fazer um ótimo show, só precisa se acalmar. – Disse Claire pegando sua bolsa. – Vamos, pessoal? Não quero atrasar mais.

– Vamos, vamos. – Disse Jane. – Estou ansiosa para ver meu genro cantando. – Claire deu risada.

– Mãe, sem tietagem. Por favor.

– Ela queria fazer um cartaz, escrito “Alex, nós estamos muito orgulhosos de você. Seu lindo”. É claro que eu não permiti que ela fizesse isso. – Disse Steve dando risada.

– Obrigada, pai. – Disse Claire rindo e Tif gargalhava atrás dela.

Os quatro se ajeitaram no carro de Claire e foram em direção a casa de shows Koko. Claire sabia que precisava correr para não se atrasar mais.

Enquanto isso, Alex estava roendo as unhas, deitado no sofá que havia em seu camarim. Sua cabeça borbulhava e ele não conseguia nem lembrar a ordem das músicas que iria tocar. Mas aí se lembrou que havia um papel colado no chão em frente ao seu microfone.

Era como se nada daquilo fosse real. Aos poucos, ele foi lembrando tudo o que aconteceu desde quando viu Claire pela primeira vez. Como sua vida havia mudado. Relembrar tudo em poucos minutos o ajudou a entender que tudo era real.

Mas ele estava se sentindo de um jeito que não gostava. Estava ansioso, inquieto e muito nervoso. Sentia suas mãos suarem frio.

– Minha nossa! Eu não vou conseguir. Eu não vou conseguir. – Ele sentiu uma náusea e se sentou depressa no sofá, com medo de vomitar em cima de si mesmo. Mas era apenas mais uma onda de ansiedade correndo por seu corpo.

Ele olhou no relógio e viu que era 19:12. Sentiu mais um frio a barriga ao perceber que os portões já estavam abertos. Todos os ingressos haviam sido vendidos. Então, com certeza, já havia pessoas entrando na casa. Ele queria se acalmar de algum jeito. Toc toc toc na porta e ele se assusta. Se levanta e corre para abrir a porta. Era Claire.

– Meu amor! Como você está? – Ela pergunta, entrando no camarim.

– Nervoso. Não sei se vou conseguir. – Alex dá as costas e caminha lentamente pelo lugar, Claire fecha a porta e se aproxima dele, passando as mãos por seu ombro. – Acho que vou fazer tudo errado.

– Alex, estava tudo perfeito na passagem de som de hoje de tarde. É só imaginar que a casa está vazia. Tente fazer isso. Como se estivesse cantando apenas para você, cantando pra mim. – Alex balançou a cabeça e se sentou no sofá de novo, passando as mãos pelos cabelos compridos. Claire se aproximou dele e se ajoelhou em sua frente, abraçando sua cabeça e lhe beijando a testa. – Meu amor, vai dar tudo certo. Você vai arrasar. Você vai estar ótimo! – Ela sorriu. – Vamos lá, você precisa se acostumar com isso. Você quer ou não quer e encher estádios pelo mundo afora, vender milhares de discos e ter seus clipes com milhões de acessos no Youtube?

– Eu… Eu não sei mais. Parece que preciso ser essa pessoa limitada para sempre. Não consigo entender como tudo isso aconteceu tão rápido e muito menos, se eu mereço. Me sinto uma farsa, Claire. – Alex cuspiu todas as palavras e seus olhos estavam trêmulos, assim como suas mãos.

– Alex. Você quer que eu coloque sua música para tocar aqui no meu celular, para você se ouvir e acreditar em si mesmo? Eu posso fazer o que for preciso para que acredite em seu potencial! Alex! – Claire estava ficando um pouco nervosa também. – Me diga o que fazer para te ajudar. Me diga. Alex, me diga.

Alex apenas a olhou e sorriu. Ele segurou forte nas mãos dela e sorriram. Ele a puxou para perto e colou seus lábios nos dela. Se beijaram intensamente e se o celular de Claire não tivesse tocado, eles teriam se amado ali, naquele sofá.

– Rose! Já estou aqui. Estou tentando acalmar nosso astro. – Enquanto Claire conversava com Rose, Alex beijava o pescoço dela e ela sorria e se arrepiava. – Tudo bem, estou indo aí para recepcioná-los. Dois minutos. – Ela desliga o celular e volta a beijar Alex. – Eu preciso ir para recepcionar os pais da Juliette. Eles querem falar comigo. Quer ficar sozinho?

– Quero. Vou começar a me arrumar. Não sei muito bem o que fazer, mas vou fazer direito.

– Ótimo. Me ligue no celular. Tenho milhões de coisas para fazer aqui. Temos pouco mais de uma hora antes do show. Passo aqui antes de ir para o palco, ok?

– Claire… – Alex fez uma pausa e sorriu para Claire. – Você está linda com esse vestido. Me dá vontade de rasgá-lo com meus dentes. – Claire gargalhou e Alex sorriu.

– Você pode tirá-lo mais tarde, mas se rasgá-lo, vou ficar muito brava. Comprei especialmente para hoje e me custou algumas centenas de libras. – Ela enrolou seus braços no pescoço dele. – Eu te amo. Vai dar tudo certo.

– Também te amo. Vá. Senão a Rose te liga novamente. – Eles se beijam de novo e Claire corre para a porta.

– Qualquer coisa me liga. E quando a ansiedade voltar, tente se ver com meus olhos. Tente se sentir admirado como eu te admiro. – Ele sorriu e se emocionou. Ela manda um beijo e sai pela porta.

Ele respirou fundo e foi tentar organizar tudo o que precisava fazer. Bebeu um copo de água e analisou as roupas que tinha como opção para usar no show.

Alguns minutos depois, outra pessoa bateu na porta e quando ele a abriu, não tinha ninguém lá. Apenas uma caixa pequena que foi largada no chão. Ele olhou para os dois lados e não viu ninguém. Pegou a caixa e fechou a porta.

Quando abriu a caixa, viu seu mundo desmoronar por completo.

Alguém havia deixado lá dentro, um pouco de cocaína e algo para que ele pudesse aspirar tudo aquilo para dentro.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*