Meus Livros

Música do Coração – Capítulo 19

Capítulo 19

Era noite de quinta-feira e Claire havia acabado de chegar do hospital. Seu pai ainda estava internado na UTI, mas já estava consciente e respirando sem a ajuda do respirador mecânico. Ela achou engraçado ver como os pais estavam se tratando. Segurando as mãos um do outro e Jane dava um beijo na testa dele à cada 10 segundos, como se quisesse compensar o fato de ele ter sofrido o infarto e por todos os anos que ficaram brigando à toa, separados.

Ela estava deitada em seu sofá, com Kissy afofando sua barriga para se deitar, apenas pensando em tudo que estava acontecendo nos últimos dias.

Alex havia recebido o adiantamento de Rose e a primeira coisa que fez, foi convidar Claire para jantar em algum restaurante bacana de Londres, por conta dele. Eles iriam no carro dela, mas ela acreditava que em breve, ele teria um carro até mesmo melhor. Ela ainda tinha alguns minutos para ir tomar banho e gostava de ficar pensando, sozinha. Gostaria de estar fazendo isso no confortável banco de seu jardim, mas estava chovendo e ela não queria se molhar.

Seu telefone toca e ela se estica o suficiente para alcançá-lo sem precisar tirar Kissy de cima de sua barriga. Era Tiffany.

– Amiga, amanhã teremos agito novamente. Anote na sua agenda. – Disse Tiffany, empolgada do outro lado da linha.

– Ahh, eu não sei, Tif. Não quero encontrar com o Sam e correr o risco de acontecer aquela situação constrangedora novamente. – Disse Claire, puxando Thor para cima do sofá também. Ele pulou em cima de Kissy, abanando o rabinho e deu um latido. Kissy o olhou e se virou para o outro lado, como se ignorasse o filhote de cachorro que queria brincar com ela. Claire deu risada e ficou passando o dedo na frente do focinho de Thor, para ele tentar morder.

– Amiga, semana passada, ficou chato para ele. Ele que saiu de lá mais bravo que um touro espanhol e… Desculpa, amiga. Mas não deve ser fácil para um homem que se julga poderoso como ele, perder uma mulher como você para um rapaz simples como o Alex. Não estou menosprezando o Alex, sei que ele é muito melhor que o Sam. Mas… Você sabe como as pessoas orgulhosas são.

– Sei bem. E sei também que o Alex é infinitamente melhor que o Sam. Mas não quero causar outra situação chata, pois agora eu e ele estamos juntos realmente.

– Hummm! Ai, ai, ai, ai. Imagina como serão os filhos de vocês? Pois vocês formam um casal que até dói olhar, de tão lindos!

– Cale a boca, Tif! Pare de falar besteiras. – Claire dava risada.

– Tudo bem. Amiga, preciso te contar uma coisa. Tenho um problema gigantesco. – Tif dava risada.

– Eu sei que tem, mas desculpa. Eu não tenho formação suficiente para lhe ajudar.

– Ora! Pare de caçoar! Não estou louca, Sra. Thompson! É sério. Estou com medo de que os dois rapazes que estou saindo, apareçam amanhã na festa.

– Continuo não tendo formação suficiente para lhe ajudar. – Claire gargalhou.

– Claire! O que eu faço?

– Humm… Se finja de morta para um e para o outro diga que está doente. Acho melhor você não correr o risco de sair e encontrar qualquer um deles. Mas por favor, não paquere mais ninguém. Você não vai dar conta de mais um mocinho na sua vida.

– Ok! Finalmente um bom conselho. Não paquerar! Vou salvar como lembrete no celular, para tocar um alarme durante a festa. Só para me lembrar.

– Isso. – Claire gargalhava e balançava a cabeça. – Muito bom. Faça isso.

– Pare de rir, Claire. Isso é sério! Não posso ver um rapaz bonito me olhando que logo começo a jogar um charme para cima dele. É um problemão!

– Realmente, eu vejo pelos homens que você está sempre acompanhada. É um problemão mesmo. Um problemão atrás do outro. Muito triste. – Claire ainda gargalhava.

– Você está me irritando, Claire Thompson. Vou desligar. Preciso arrumar algumas desculpas para o rapaz número 1. Ele me mandou mensagem no celular, perguntando o que irei fazer amanhã.

– Diga que estará com dor de barriga, provavelmente presa no banheiro, a noite toda. Pergunte se ele quer lhe fazer companhia. – Claire estava rindo muito da amiga.

– Do jeito que ele é maluco, amiga… Não duvido que aceite. – As duas gargalharam ao telefone. – Bom, nos falamos. Ahh, seu pai está melhor?

– Sim. Está sim, cheguei agora a pouco do hospital. Ele acordou e já está fazendo gracinhas comigo e com minha mãe.

– Que incrível ele e sua mãe juntos, de novo! Será que dá certo agora?

– Espero que dê. Ou serei obrigada a dar alguns sopapos nos dois. – Elas riram.

– Que bom. Vou torcer. – O celular de Tiffany tocou ao fundo. – Nos falamos depois, gata! Um beijo.

– Beijos, moleca! – E desligaram o celular. Claire continuou a rir da amiga.

Tirou Thor e Kissy de cima de sua barriga e se levantou, indo para o banheiro. Já estava na hora de tomar banho e ficar bem bonita, para sair com Alex.

***

Claire abriu a porta do prédio e assim que saiu, encontrou um novo Alex. Ele estava com roupas novas e muito cheiroso. Ele estava com cheiro de perfume. Também havia cortado um pouco do cabelo. Eles se olharam e ela abriu a boca, admirada. Ele havia conseguido ficar ainda mais bonito. Eles se abraçaram e ela logo reconheceu a fragrância que ele estava usando.

– Quem é você? O que fez com o outro Alex que eu conheci? – Ela perguntou sorrindo.

– Espero que aquele Alex tenha ficado no passado. – Ele disse com sinceridade. Sentia dentro de seu coração que realmente precisava deixar o passado no seu devido lugar. Ele tinha a chance de ouro de transformar seu presente e seu futuro. Tinha decidido não desperdiçar essa oportunidade que a vida (e Claire) estava lhe dando.

– Não que eu não goste do Alex antigo, mas eu espero realmente que aquele passado, tenha ficado para trás. – Ela passou a mão no rosto dele e olho bem fundo nos seus olhos verdes que ela já havia aprendido a admirar. – E então, para onde o senhor gostaria de me levar? – Ele sorriu e passou a mão nos cabelos dela.

– Tem um restaurante, perto de onde eu ficava para tocar. Na verdade é perto da Catedral St. Paul. Sempre que eu passava lá na frente, sentia um cheiro delicioso de carne, de churrasco. Sempre tive vontade de ir lá. Sei que deve ser caríssimo, mas quero te levar lá. Agora eu tenho dinheiro de verdade! – Ele deu risada e ela o acompanhou.

– Eu sei qual é o restaurante. É do Jamie Oliver. Barbecoa?

– Isso! Esse mesmo.

– Você fez reserva?  Se não fez, será difícil conseguir uma mesa. – Claire disse, o puxando para irem até seu carro novo.

– Fiz! Passei lá e consegui fazer sim. – Alex respondeu, sorrindo e orgulhoso de ter pensado nessa questão.

– Que bom. Então vamos logo, pois só de pensar nas carnes daquele restaurante, já me deu fome. – Ela disse, enquanto entrava no seu carro, partindo para o restaurante.

Era um restaurante badalado, cheio de celebridades e pessoas importantes. Alex estava se sentindo tão bem, como nunca havia se sentido. Caminhar de mãos dadas com Claire, em direção à entrada do restaurante, foi como pisar em nuvens. Ele tinha certeza de que iria acordar em poucos minutos, mas queria aproveitar cada segundo que ainda restava daquele sonho.

– Boa noite. – Alex se dirigiu à moça bonita que estava na porta, cuidando das reservas. – Fiz uma reserva para dois, no nome de Alex. Para agora às 21h.

A mulher sorriu e foi conferir a lista. Rabiscou algumas coisas e concordou, caminhando para dentro do restaurante para os dois a seguirem. Para Claire, a única coisa nova, era o fato de estar acompanhada por uma pessoa que ela considerava especial demais. Já Alex, sentia suas mãos suando frio e então se deu conta de não sabia ao menos como utilizava os talheres em um restaurante mais fino. Pensou por alguns segundos que aquilo era um erro, que eles deveriam ter ido comer kebab ou fish and chips. Mas assim que viu Claire sorrindo e se sentando à mesa, sabia que precisava fazer aquilo por ela e que não importava o local onde estivesse. A única coisa que lhe importava mesmo era com a mão de quem ele estava segurando.

– Dê uma olhada no cardápio, se não souber o que é me pergunte. Posso saber. Não garanto que vou saber tudo. – Ela sorriu e ele assentiu, olhando o cardápio.

– Que tal se pedirmos uma costela para dois? Você gosta?

– Claro! Parece perfeito. Mas quero também ostras de entrada, pode ser? Você já comeu? – Ela perguntou e ele deu risada, negando com a cabeça. – Você vai gostar. Vou pedir também.

– Vamos pedir uma garrafa de vinho também. – Disse Alex e Claire sorriu.

Alguns minutos, todos os pedidos já estavam feitos e os dois apenas esperavam. Claire estava muito feliz de estar ali com Alex. Ele estava radiante demais de poder ver por dentro, como era o restaurante que ele sempre quis entrar para conhecer.

– Ahh! Hoje, na gravadora, enquanto você estava conversando com uma menina, que esqueci o nome…

– A Juliette. Que encontrei em um bar que tocava blues.

– Isso. Ela. Enfim, enquanto estava conversando com ela, eu encontrei com o Dylan, saindo da sala da Rose. Ele é bem divertido, não é?

– Alex, cuidado com ele. – Claire sentiu um frio na barriga e lembrou na hora, do dia em que Dylan estava alterado.

– Você me disse, mas olha só. Eu disse que estava procurando algum lugar para morar, que não fosse caro e nem tão afastado como o lugar que morei alguns anos atrás. Ele disse que mora em Manor House e que tem um apartamento para alugar no prédio dele. O valor é bom. Vou poder pagar. – Claire não estava gostando nada dessa história.

– Você é o dono da sua vida, Alex. Mas eu não gostaria que você ficasse perto do Dylan. Tenho medo do que ele pode fazer, se ele pode te influenciar em alguma coisa.

– Claire… – Ele passou a mão pela mesa e encontrou a dela. Segurou forte. – Confia em mim. Eu não vou fazer nada de errado. Poxa, tenho uma oportunidade gigantesca nas mãos, você acha que vou jogar tudo fora?

– Você não vai fazer isso, porque eu não vou deixar. Mesmo que tente! – Claire mordeu os lábios, visivelmente preocupada. – Só não queria que você tivesse contato direto com ele. – Ela fez uma pausa, enquanto eles se olhavam. – Por que não vem morar comigo? – Alex começou a rir.

– Claire! Que disparate! Eu jamais aceitaria isso! Se alguém precisa fazer esse convite, esse alguém sou eu. Me deixe fazer um pouco o papel do homem. – Ele apertou mais a mão dela, que respirou fundo. Ela queria tirá-lo de perto de Dylan de qualquer jeito. – Vou te pedir mais uma vez. Confie em mim!

Ela estava séria olhando para ele, depois abaixou a cabeça, pensando em todas as possibilidades que poderiam acontecer, caso ele se deixasse influenciar por Dylan. O silêncio só foi interrompido quando o garçom trouxe a garrafa de vinho para os dois. Alex olhava para Claire, que estava perdida em seus pensamentos. Assim que o garçom saiu de perto, ele apertou novamente a mão dela, fazendo com que ela o olhasse.

– Claire. Quando eu disse que tenho uma oportunidade nas mãos, isso inclui você. Nunca pensei que pudesse me apaixonar por alguém, como estou apaixonado por você. Acredite em mim. Não vou fazer nada que me faça correr o risco de perder você, ou aquele contrato. Acredite em mim. – Ele disse com sinceridade. Ela sorriu sem mostrar os dentes e assentiu.

– Ora, ora! O que vemos aqui? – Claire escutou uma voz masculina debochada vindo do seu lado e se virou para olhar. Era Sam. Alex bufou como um cão raivoso, enquanto Sam sorria. – Veio gastar um pouco mais de dinheiro com esse morador de rua? – Sam disse alto, rindo.

Alex precisou segurar o impulso de avançar em Sam, por respeito à Claire e também por não estar nas ruas. Mas o que ele mais queria naquele momento, era quebrar a cara de Sam. Claire fechou o rosto e tentou não fazer escândalo. Respirou fundo e cerrou os olhos.

– Eu não devo satisfações da minha vida para você, Sam. – Disse Claire, entre os dentes. Estava tão irritada que mal conseguia abrir a boca para falar.

– Claro que não deve. Eu pouco me importo com o que você faz de sua vida. – Sam olhou para Alex, que estava prestes a soltar fogo pelos olhos. Percebendo uma possível explosão de Alex, ela segurou forte a mão dele. – Você ganhou na loteria, rapaz! – Sam disse, balançando a cabeça de um lado e do outro. – Espero que esteja rezando todos os dias em agradecimento, para o papai do céu. – Sam uniu as duas mãos em frente ao peito fechando os olhos, como se ele estivesse rezando. Alex respirou mais fundo, sem dizer uma só palavra e cerrou os olhos. Claire apertou ainda mais a mão dele.

– Suma daqui, Sam. Vai ser melhor para você. – Alex disse, entre os dentes.

– Por quê? – Sam gritou e algumas pessoas o olharam. – Vai fazer o que, seu sujo? Vá tomar um banho antes de vir me dar ordens! – Sam gritava e Alex bateu as mãos fechadas na mesa e se levantou em um pulo, partindo para cima de Sam. Claire foi mais rápida e entrou no meio dos dois, colocando as mãos no peitoral de Alex, o mantendo longe de Sam, que dava um passo para trás, dando risada. Claire se virou para ele, ainda segurando Alex.

– Seu desgraçado! Vá embora! – Disse Claire. Ela viu dois seguranças grandes chegando perto e empurrou Alex para se sentar de volta. Não queria que ele se envolvesse na briga com Sam, ela não queria que ele caísse no jogo ardiloso daquele mau caráter.

Os seguranças pegaram os braços e Sam, que se irritou e gritava se eles sabiam com quem estavam lidando. Sem dizer nada os seguranças o levaram para fora e Claire sabia que tinha que fazer alguma coisa.

– Alex, me prometa que não vai lá pra fora. Eu vou ter uma conversa definitiva com ele. Fique aqui, por favor! – Claire implorou para Alex, que guardou o rosto entre as mãos, tentando controlar o nervosismo e vergonha que aquele imbecil o havia feito passar. Ele não disse nada. Claire partiu como um raio parra fora do restaurante, a tempo de ver Sam quase levando um soco de um dos seguranças, pois ele estava tentando agredi-los também.

– É tudo culpa sua, vadia! – Sam gritou para Claire, que não acreditou que ele estava dizendo isso e correu até ele, só parou quando lhe deu um belo chute entre as pernas, que fez com que Sam sentisse muita dor e caísse de joelhos no chão. Os seguranças davam risada. Claire se aproximou ainda mais e passou os dedos entre os cabelos de Sam e puxou sua cabeça para cima, para que ele a olhasse.

– Quem é a vadia agora, seu ridículo? – Ela soltou a cabeça dele e percebeu o quanto estava irritada. Jamais pensou que pudesse fazer o que havia acabado de fazer. – Me deixe em paz! Deixe o Alex em paz! Você se incomoda com o fato de ele ser uma pessoa sem um lar, mas sabe que ele é muito melhor que você, por isso o odeia tanto! Você queria ser tão bom quanto ele, queria ser uma pessoa que NUNCA será! Você é mau, uma pessoa ruim! Você é uma pessoa digna de pena! – Claire estava sentindo tanta raiva, que se aproximou de Sam novamente e puxou sua cabeça outra vez e gritou em sua cara. – Você é um ser desprezível, Sam! Desapareça da minha vida e da vida do Alex! – Ela o empurrou e ele caiu no chão, ainda sentindo muita dor por conta do chute de Claire.

Claire caminhou de volta ao restaurante e os seguranças bateram palmas para ela, que se encabulou e apenas assentiu. Quando abriu a porta do restaurante, as pessoas que estavam perto da janela, viram toda a cena e estavam sorrindo para ela, que caminhou de volta para a mesa onde Alex havia ficado. Claire estava com o rosto totalmente vermelho e respirando forte. Eles se olham e ela balança a cabeça.

– Me desculpe por isso, Alex.

– Você me pedindo desculpas? Claire, esse homem é um imbecil! Não se desculpe pelos atos dele.

– Ele me chamou de vadia. – Claire disse, rindo, um pouco mais calma e foi a vez de Alex se irritar. – Eu corri e dei um chute nos culhões dele! – Claire gargalhou e Alex abriu a boca.

– Você fez o que? – Alex sorriu, orgulhoso do ato de Claire.

– Isso mesmo, e ainda puxei a cabeça dele pelos cabelos e lhe disse um monte de verdades. Espero que ele pare de nos perturbar.

– Estou impressionado. – Foi o que Alex conseguiu dizer. Ele estava chocado com a coragem que Claire havia tido naquele momento.

Um garçom se aproximou deles e disse que o jantar ficaria por conta da casa, devido ao mal estar que um outro cliente havia os feito passar. Eles deram risada quando ele se retirou e Alex fez um bico.

– Não gostou do mimo que o restaurante vai nos dar? – Claire perguntou para Alex.

– Gostei, mas… Terei que pensar em outro restaurante para lhe pagar outro jantar.

Alex sorriu e Claire se encantou um pouco mais com ele, naquele exato momento.

Deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*